“Vende-se um moleque, António, de nação Cacanje. O inferno esclavagista angolano no Novo Mundo”

Padrão

É com grande satisfação que publicamos hoje, na MISOSOAFRICA o texto da palestra realizada no último dia 28 de março: “Vende-se um moleque, António, de nação Cacanje. O inferno escravagista angolano no Novo Mundo”. O autor, Simão Souindoula, é professor e historiador perito da UNESCO e gentilmente nos cedeu o texto para compartilhar com todos aqueles que, por estarem fora de Luanda, não conseguiram assistir ao encontro.

Então amigos, boa Leitura!

…É com um sentimento de honrar um compromisso moral que tomo a palavra, hoje, aqui, sede da União dos Escritores Angolanos, no quadro da celebração da 25 DE MARCO, DIA INTERNACIONAL DAS VITIMAS DA ESCRAVATURA E DO TRAFICO TRANSATLANTICO.

Engajamento ético de historiador perante uma das tragedias económicas, entre as mais mortíferas e dolorosas da evolução da humanidade, nos últimos seculos, e qual o nosso país, pagou um dos preços mais elevados.

Facto que se constitui na má consciência do mundo, e que mereceu da parte da Organização das Nações Unidas, a declaração do Decénio 2012/2022, como o consagrado aos Afrodescendentes, depois do ano de graças, 2011…

O titulo da nossa intervenção e, recordo:

“Vende-se um moleque, António, de nação Cacanje. O inferno esclavagista angolano no Novo Mundo”.

Naturalmente, não iremos repetir o desencadeamento letal, em todas as suas etapas, do sistema esclavagista, com as suas horrendas guerras de captura, as suas intermináveis caravanas, os seus dramáticos embarques, as perigosas viagens nos porões dos navios negreiros, o esquartejamento a cavalo, etc.

Apresentaremos aspetos irrefutáveis deste inferno a partir da famosa obra de Gilberto Freyre “O escravo nos anúncios de jornais brasileiros do seculo XIX”, cuja última edição, 4 edição foi publicada, recentemente, em São Paulo, na Global Editora.

Esta coletânea e uma vitrina excepcional dos reflexos somáticos da violência acumulada do longo percurso do mbika, desde a sua difícil captura, o seu exaustivo encaminhamento ao litoral, o seu agitado embarque, a sua demorada viagem nos insalubres porões de navios e a sua dura vida profissional e social.

O kalenge cumpria, severamente, o duro trabalho agrário, agro-pastoril, mineiro ou artesanal.

ASSIMETRIA TRAUMATOLOGICA

Pode-se realçar que o escravo bozal ou o seu descendente, negro ou mestiço, foi vítima de vários acidentes sobre todo o seu corpo, tais como:

– as inevitáveis perdas, acidentais,  de dentes, sobretudo os arrancados na frente;

– as animalizantes cicatrizes de queimadura, marcas de proprietários de escravos;

– a deformação de dedos, consequência de doenças tais como o panarisco ou de trabalho com matéria química como o cal ou a levedura;

– as varias deformações corporais resultados do mal de Luanda, uma forma de escorbuto;

– a corte de dedos, acidentais, ou resultados de punições e de caídas a armadilhas contra fugitivos;

– as previsíveis enrugas na testa;

– os sinais de demência;

– o defeito de balbuciante;

– a queda de cabelo;

– a assimetria traumatológica.

Os comunicados selecionadas pelo autor de Casa-Grande e Senzala confirmam a instalação, maioritária, dos okalumba originários do actual Quadrilátero, nas três cidades, esclavagistas, do litoral atlântico, onde se editavam os jornais colecionados: Pernambuco, Recife e Rio de Janeiro.

São o Diário de Pernambuco (Recife) e o Jornal de Commercio( Rio de Janeiro).

As entidades de origem dos ombutu são:
Angola ou Mongola, Congo, Cacanje, Camundongo, Cabinda, Benguela ou Banguela, Cabunda, Rebolo e Quiçame.

PRESSÃO A FOGO

E, assim, que apontamos nas dezenas de anúncios relativos aos kapinji, os seguintes:

– João, de nação Angola, de 20 anos de idade, residente em Pernambuco, cego do olho esquerdo, ao pé do mesmo e sobre a fronte tem bastantes cicatrizes, a parte esquerda da cara parece inchada;

– Caetano negrinho, de nação Angola, de 12 anos, residente em Recife, apresenta uma cruz no braço esquerdo, marcada sob pressão de fogo e, no meio da cabeça, tem falta de cabelo, consequência de carregamento, excessivo, de peso;

– Joaquim, de nação Cacanje, não tem dedo nos pes, por ter trabalhado, durante muito, com o cal. Tem sinais de surra;

– João, de nação Cabinda, residente em Recife, com a perna direita um tanto arqueada, que tinha também sua coroa de martírio pelo uso de carregar peso;

– Francisco e Pedro, moleques, de nação Congo, com, o primeiro, algumas cicatrizes novas de relho pelas costas e, ambos, nas juntas dos dedos das mão, calos, efeito de amassar pão;

–  Maria, de nação Benguela, 40 anos, cabeça chata, de tanto carregar peso, já tremia, e quando andava, era cambando.

– uma preta de nome Joaquina, de nação Cancanje, residente em Pernambuco, entre 30 e 32 anos, com falta de dente num lado.

– António, nação Cabunda, recifense, entre 20 e 22 anos, com pernas que parecem inchadas, com marcas bem claras de feridas por estar sempre nos ferros;

– Cândida, de nação Quiçame, entre 18 e 20 anos, muito magra, com bastantes verrugas sem uma perna. Tem a boca fechada com um cadeado.

– uma moleca de Angola, de nacao cacanje, molesta de surrada, com varias marcas do proprietário, sendo uma bem clara no braço esquerdo.

– e,  a negra Rita, de nação Cabinda, de mão direita aleijada, dobrada pelo meio.

Esses anúncios atestam as representações de várias iconografias do seculo XIX, saídas, principalmente, de Rio Janeiro, com gentio de Angola, portador de gancho fechado a cadeado, de algemas e de lubambos nos pés.

Mera mercadoria, os jornais continham, igualmente, varias ofertas de trocas de omumbe.
Maltratado, descarnado, com ferro ao pescoço e suporte para chicote, o kapinji era sujeito a tendência suicidaria.

CONCLUSÃO

Catástrofe humano que se abateu sobre a África, o tráfico negreiro e a escravidão nas Américas e Caraíbas, fez centenas de milhares de vítimas.
Esta evolução, extraordinariamente, violenta, e rememorada em vários documentos de arquivos, tais como nos anúncios de jornais brasileiros do século XIX.

Constituindo a maioria da mão-de-obra escrava, instalada no imenso Brasil, os malungos congos /angolas, serão, logicamente, os mais referenciados nos avisos.

A leitura destes comunicados revela o universo implacável em que vivia e trabalhava, os serviçais vindos da Colónia e do Reino da contra-costa.

Podemos afirmar, depois da nossa análise, que o inferno em que vivia os mbika no Brasil, não era a via mais adequada para instituir a civilização luso tropicalista, a grande teoria de Gilberto Freyre.

Muito obrigado!

Simão Souindoula

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s