Agencia EFE

Imagen: Reuters

Com voz tranquila e discursos firmes, o presidente de Gana, John Atta Mills, que morreu nesta terça-feira em Acra após ter completado 68 anos no último sábado, conquistou a confiança de seu povo com gentileza e, principalmente, através da luta pela transparência e pela paz.

Em seus três anos e meio de mandato, o até então presidente ganês percorreu o país em várias ocasiões para comprovar a evolução de seus projetos de desenvolvimento rural, que conta com novas infraestruturas e escolas, uma de suas principais preocupações.

A economia ganesa também continuou em ascensão durante sua Presidência, embora no começo deste ano a moeda local (o cedi) começou a apresentar uma ligeira fragilidade.

John Atta Mills nasceu no dia 21 de julho de 1944, quando Gana, sob domínio colonial britânico, era reconhecida como Costa de Ouro. O nome de Gana só veio após a independência do Reino Unido, conquistada no dia 6 de março de 1957.

Professor de Direito na Universidade de Gana e casado com Ernestina Naadu, Atta Mills era tido como um homem de paz e, desta maneira, conduzia seus discursos, nos quais também sempre defendia a transparência em seu governo.

Em sua posse, no início de 2009, Mills prometeu não ser um partidário da política, mas um pai para o país, um dos estados mais estáveis e solventes do continente africano.

Mas, o caminho até se transformar em Chefe de Estado foi árduo e longo para Mills, um homem de centro-esquerda que só assumiu o poder após umas vencer uma disputada eleição no final de 2008.

No entanto, essa vitória de Mills só chegou em sua terceira tentativa, já que o político foi derrotado por John Agyekum Kufuor (na Presidência de Gana entre 2001 e 2009) tanto no pleito de 2000 como no de 2004.

Antes de chegar ao máximo cargo estadual, o também comandante-em-chefe das Forças Armadas de Gana já tinha sido vice-presidente entre janeiro de 1997 e 2001, no mandato de seu companheiro no Congresso Democrático Nacional (NDC, na sigla em inglês) Jerry John Rawlings.

Embora sempre tenha contado com o apoio de Rawlings em sua corrida presidencial, essa relação acabou se deteriorando, e Mills chegou a receber algumas críticas por parte de seu antigo colega.

De fato, o ex-presidente desafiou Mills na escolha da liderança do NDC no último ano e colocou sua esposa, Acalanto Konadu, para disputar a candidatura do partido com a intenção de ser candidata às eleições presidenciais e legislativas, previstas para o próximo 7 de dezembro.

No entanto, essa disputa não reservaria surpresas, já que Mills obteve 96% dos votos de seus companheiros de partido, o que distanciou ainda mais os líderes.

Em seu currículo, aparecem titulações na Universidade de Gana, na Escola de Ciências Econômicas e Ciência Política de Londres e um doutorado em Estudos Africanos pela Universidade de Londres.

Como especialista em direito e tributação, Mills foi comissário interino no Serviço Interno de Impostos de Gana entre 1986 e 1993.

O falecido presidente abandonou seu trabalho como funcionário somente para ocupar a Vice-Presidência em 1997.

Sua “morte repentina”, anunciada pela Presidência ganesa “com grande pesar no coração”, ocorre depois que o até então presidente realizasse uma série de exames no último mês, nos Estados Unidos. Nestes exames, o estado de saúde de Mills, que era pai de Sam Kofi, foi considerado normal e sob controle.

Até o momento, o governo ganês não detalhou as causas da morte, que aconteceu às 13h30 (horário de Brasília).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s